Subidas e descidas

 

Quando se sobe uma ladeira ou uma montanha o que é percebido logo de início?

Ao subir é cansativo e trabalhoso.

Mas, o que não percebemos?

Justamente tudo de bom que a subida nos oferece, por ser cansativo e trabalhoso, acabamos por fazer as coisas de vagar, acabamos por ter mais tempo para pensar nas coisas, tempo para degustar seus sentidos, tempo para prestar atenção em coisas que nunca tem tempo para perceber, quando chegamos no topo depois de tudo o que passamos, olhamos para trás apenas para dizer, “Depois de participar de tudo isso, agora posso descansar e apenas assistir.”
Pelo menos é o que deveria acontecer, ficamos tão preocupados em chegar ao topo que esquecemos de todo o resto, tudo fica tão ruim, que ao chegar onde queria, você apenas quer voltar para poder descansar e nesse momento, pensa, “Que bom, a volta é decida poderei chegar mais rápido.”
Novamente você passa pelo mesmo lugar e não consegue perceber o que perdeu, quando passou pela primeira vez, pois dessa vez, tudo está tão rápido, que mesmo que quisesse não conseguiria.

Agora olhemos de outro ângulo, dessa vez não temos que subir de início, mas descer, sempre que descemos não temos tempo de perceber nada e cada dia tentamos acelerar mais e mais os passos, você sempre chega onde quer o mais rápido possível, mas na volta todo trabalho que não teve na ida é jogado em suas costas, não podemos esquecer, que para conseguir chegar rápido até onde queria se utilizou de artifícios que lhe trarão consequências e você só a sentirá quando estiver voltando, estará tão cansado e estressado, que não prestará atenção em nada além de suas murmuras e nada melhorará a menos que perceba o que está fazendo e mude.

O que tiramos disso, as pessoas precisam aprender a perceber o que aprenderam com as dificuldades ao invés de reclamarem por terem passado por elas e principalmente pararem de correr para tudo, o que vem através da pressa da impaciência, nos leva a falha, ao cansaço, à confusão, á rotina e seguido disso à uma vida infeliz, o que vem fácil vai fácil, o que se faz as pressas nunca poderá ser comparado a algo feito com atenção e paciência e nada disso pode substituir a experiência pessoal e o valor que é agregado a ela devido a dificuldade passada até chegar a mesma.

 

 

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: