Análise de dados absorvidos a respeito de deus

Deus segundo crenças, teses e argumentos, é perfeito o que indica que tudo em si está em maior grau, ou seja, tudo está infinitamente em deus, por tanto levando em conta a própria lógica, o contrário dessas características infinitas de deus não deveria existir ou seria considerado um absurdo.

Parte dessas características dadas a deus são humanas, criadas e caracterizadas por nós para expressar coisas específicas nossas, logo, não seria possível deus possuir essas características.

No argumento de Anselmo, deus possui todas as qualidades em seu máximo e uma delas é a infinita bondade, podemos tirar essa conclusão pelo fato de Anselmo se referir a deus como, “aquele que nada maior possa ser pensado”, se nada maior pode ser pensado então deus é tudo de forma infinita.

Para quebrar o argumento bastava apenas levar em conta que se tratava de uma tentativa de mesclar o ontológico com o metafísico, o fato de algo poder ser pensado não significa necessariamente que ele exista. Mas que supostamente seria possível e que as qualidades dadas a deus não pertenciam de fato a esse ser, já que infinito em deus se refere a sua onipresença, onipotência e onisciência e não a características mortais, até mesmo porque deus de acordo com estudos não é algo material.

Levando em conta a onipresença, onipotência e onisciência de deus, posso presumir que deus na verdade é o universo, pois está em tudo e por toda parte de forma infinita, todo conhecimento existente está dentro dele mesmo. O universo é ato indireto e tudo dentro dele é algo em potência, se tudo dentro dele é parte dele, então, o universo é ato e potência constante, já que ainda não se foi provado onde o universo acaba e muito menos quando se originou.

Se isso for realmente considerável, a teoria do Big Bang começa a fazer sentido, se deus é o universo, imagino que no início em seu interior, só existia o caos e matéria na inercia de deus, sendo assim, uma explosão poderia ser causada pelo mesmo através da gravidade ou magnetismo, por exemplo, para que ações e reações viessem a acontecer. Se nada pode existir sem que algo tenha vindo anteriormente, faz sentido que deus seja o universo e que nada tenha vindo antes dele, já que não se faz ideia do seu início e que a vida tenha começado depois de acontecimentos orquestrados por deus de forma indireta. Deus não pode mover nada, mas pode se utilizar do que possui em si para poder criar a partir disso o movimento, ou seja, ele não move nada, só torna o momento favorável para que a própria matéria se movimente.

Nada pode ser criado a partir do nada, então deus só poderia criar a partir de coisas que estivessem em si.

Com isso posso concluir, que o deus mitológico na verdade não existe, mas algo que não um ser. Nós de fato viemos dele, mas não porque ele nos criou e sim porque ações e reações através de séculos, levaram a matéria à condições favoráveis para o desenvolvimento da vida.

Para deus supostamente existir, sua única opção e até que se prove o contrário, seria ser o universo, pois a única coisa que supostamente corresponde a essas qualidades de deus seria o mesmo.

 

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: